Para poder visualizar o resto do forum Click Aqui e se ja tiver registrado so logar..

Fórum destinado as Atividades Escolares


Você não está conectado. Conecte-se ou registre-se

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo  Mensagem [Página 1 de 1]


Administrador
Administrador
Cassia Custodio

Ver perfil do usuário
em Qua Set 17, 2014 7:26 am
"Serenamente dou o primeiro passo no caminho da eternidade e saio da vida para entrar na História". A frase, uma das mais célebres passagens da história política brasileira, encerra a carta-testamento deixada por Getúlio Vargas. Há 60 anos, no dia 24 de agosto de 1954, o então presidente tirou a própria vida em meio à pior crise enfrentada em seus anos de atuação política.

Uma reunião com os ministros no Palácio do Catete varou a madrugada e decidiu que Getúlio se afastaria do governo por três meses para dar lugar ao vice, Café Filho. Após o fim da discussão, já com o dia claro, o político se recolheu ao seu aposento. Por volta das 8h35, o barulho de um tiro ecoou pelo palácio. Seu filho Lutero correu para o quarto, seguido pela esposa de Vargas, Darcy, e a filha Alzira.

"Getúlio estava deitado, com meio corpo para fora da cama. No pijama listrado, em um buraco chamuscado de pólvora um pouco abaixo e à direita do monograma GV, bem à altura do coração, borbulhava uma mancha vermelha de sangue. O revólver Colt calibre 32, com cabo de madrepérola estava caído próximo à sua mão direita". É assim que Lira Neto descreve o cenário da morte de Vargas no terceiro volume da série biográfica "Getúlio".

A carta-testamento de Getúlio Vargas, que seria transmitida durante aquele dia pelas rádios em todo o território nacional, foi encontrada em um envelope, encostada ao abajur da mesinha da cabeceira da cama do então presidente. Nos apontamentos do biógrafo, o texto, originalmente esboçado por Getúlio, teve sua versão final passada na máquina de escrever pelas mãos de um amigo, José Soares Maciel Filho, já que o ex-presidente não sabia datilografar. O rascunho da carta havia sido encontrado no dia 13 de agosto pelo major-aviador Hernani Fittipaldi, um dos ajudantes de ordem de Getúlio, enquanto arrumava a mesa do presidente.

Assustado com o conteúdo do manuscrito, ele entregou o papel à Alzira, que questionou o pai. "Não é o que estás pensando, minha filha. Não te preocupes, foi um desabafo", se esquivou Vargas. Essa porém não foi a primeira vez que Getúlio fez menção ao suicídio. Em suas anotações pessoais ele já havia cogitado tirar a vida em outros momentos de sua jornada política.

A primeira delas foi quando chegou ao poder em 1930. Naquela data, enquanto se encaminhava para a sede do governo, se disse disposto a não retornar com vida ao Rio Grande caso não obtivesse sucesso na empreitada. Era a primeira anotação pessoal que fazia no diário que carregou para o resto da vida. Lira Neto considera que a diferença em 1954 é que Getúlio se viu encurralado e não conseguiu contornar a crise como das outras vezes.

A notícia circulou rapidamente pelo país. Um dos principais programas jornalísticos da época, o "Repórter Esso", transmitiu a notícia acompanhada da leitura da carta, na voz do locutor Heron Domingues.

Biografia Política

Depois de chegar ao poder na liderança do movimento que ficou conhecido como Revolução de 1930, o político gaúcho Getúlio Dornelles Vargas exerceu o governo no país de forma ininterrupta até 1945. De 1930 a 1934 ele foi chefe do Governo Provisório. Em 1934 foi eleito presidente da república pela Assembleia Nacional Constituinte e exerceu o Governo Constitucional até 1937, quando por meio de um golpe instaurou a ditadura do Estado Novo, que durou até 1945. Retirado do comando do país por um golpe militar, se recolheu à sua cidade natal, São Borja (RS), de onde articulou sua volta ao poder pela via democrática nas eleições presidenciais de 1950.

Getúlio Vargas e a República Nova

Na história do Brasil, a República Nova é bem anterior à Nova República. O período registrou choques violentos entre grupos políticos. Também foi uma época de conquistas sociais, como o voto secreto e as leis trabalhistas.


Ver perfil do usuário
em Ter Set 23, 2014 12:33 pm
O Getúlio Vargas conhecido como o grande “pai dos pobres” criou leis trabalhista, salário mínimo e muitos outros benefícios. Mais infelizmente Getúlio cometeu o suicídio por achar que não teria capacidade de enfrentar uma crise que se passava na época de seu governo.


Ver perfil do usuário
em Ter Set 23, 2014 11:44 pm
Getúlio Vargas depois de uma longa disputa pelo cargo de presidente não aguento todas as crises que haviam acontecido, seu governo estava entrando em uma fase critica pois não conseguiu controlar a crise que estava havendo

4Admin  

Admin
Administrador
Administrador
Admin

Ver perfil do usuário http://aula-portugues.foruns.com.pt
em Qua Set 24, 2014 9:47 am
Matheus e Guilherme , por favor , comentar no local certo !

9º Ano XX > Grupo XX > Getúlio vargas do ex presidente completa 60 anos .

Obrigado.


Ver perfil do usuário
em Ter Set 30, 2014 2:15 pm
9ºC > Grupo 6

Getúlio Vargas foi considerado um dos melhores líderes do nosso país, porém não aguentou a uma das crises de seu governo.Getúlio faleceu aos 72 anos no dia 24 de Agosto de 1954.O texto foi bem explicativo, mencionou certas coisas que ainda não sabíamos.


Ver perfil do usuário
em Qua Out 01, 2014 6:18 am
9·C Grupo 6
O texto é perfeitamente claro e interessante pois nele podemos aprofundar nossos conhecimentos de uma forma diferente.
Getulio Vargas, conhecido como "pai dos pobres" foi um grande homem para nossa história brasileira, proporcionou uma certa igualdade, criando leis trabalhistas, dando mais condições ao povo. Porém achando que não seria capaz de enfrentar e vencer a crise que estava passando, cometeu seu suicídio.

7Conteúdo patrocinado  


Conteúdo patrocinado

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo  Mensagem [Página 1 de 1]

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum